Apesar da longa “ausência bloggística” nos últimos dias (os motivos foram muitos e vão desde excesso de trabalho, passando por imprevistos em diversos setores e conexão instável, muito instável), o blog não saiu da minha cabeça e nem o chá deixou de me acompanhar, mesmo que preparado com aquela água quente gratuita das máquinas de café.

Algumas frases, pensamentos e pessoas permearam estes momentos e tudo o que eu posso deixar registrado aqui são as ressonâncias de momentos agradáveis – inclusive profissionais, que têm sido gratificantes, por instantes poéticos.

A frase do Saramago resulta dessas trocas.

Na ausência, nas reminiscências, na saudade, nos reencontros e encontros casuais, muita gente passou pela minha vida…

 

SOLANGE – ISA – SOFIA – RICARDO

As passagens do Ricardo por São Paulo não passam imunes à troca de sacolas com presentes, bobagens, lembrancinhas. Meus presentinhos desta vez foram dois tsuru, a pedido da Isa que começa a se interessar por origami e me faz pensar em minha infância (o legal é que desta vez consegui encontrar com meu cunhado e deixar mais duas bobagens da cor dos papéis dos origamis para entregar para as meninas). Mas foi a Solange que caprichou mais desta vez, mandando alguns saquinhos de chás especiais…

 

CHAZINHO PÓS-YOGA

Nada, nada melhor que o momento pós-yoga às sextas-feiras para degustar o chazinho enviado pela Solange. Confesso que ando simpatizando com a mistura de chá preto com chá verde (esta, da Hawaiian Natural Tea, com maracujá e laranja, é especialmente bem tropical e vem em uma caixa muito prática, com 8 sachês, ideal para viagens). A mistura  “verde + preto” ainda não entrou para a minha top list (não sei se são as aulas da Urasenke, mas o matchá está sendo muito, mas muito apreciado), mas vamos dizer que ela tem servido bem os momentos em que fico na dúvida de qual chá tomar…  Por mais estranho, contraditório ou “impuro” que possa parecer, eu recomendo a mistura. Carline pode estrear sua caneca linda – e funcional – comprada na sua visita à Teakettle.

 

ENCONTROS NA GOURMET TEA

Eu tinha combinado com a Michiko – como de fato nos encontramos, depois de meses e acontecimentos e e-mails trocados -, mas fomos surpreendidas com a chegada da Teresa Bettinardi (encontro casual), que tinha marcado almoço na lounge store com Lúcia com Alice, que chegaram logo depois.

Quando vi Alice pela última vez, ela mal andava e agora ela já reconhece as  cores com apenas 1 ano e 8 meses – imagina a pequena na loja-pantone… Eu e Michiko estávamos de saída (ainda tinha no roteiro uma passadinha pela Japonique para encontrar com a Lili e dar um beijo na Rachel Hoshino e na Jane Aki, que se juntaram à loja para arrecadar fundos para o movimento “Todos Juntos pelo Japão“), mas ficamos para mais um chazinho depois do almoço. Michiko foi de pérolas de chá verde com menta marroquina (o aroma do Green Moroccan Mint é delicioso) e eu, na minha meta de experimentar um chá diferente cada vez que passo pela Gourmet Tea, escolhi um rooibos cítrico com gengibre, o Rooibos Citrus Ginger (noto que o gengibre tem sido uma constante nas minhas escolhas).

A Rita Rita Taraborell, chef que criou o cardápio da casa, também estava por lá!

 

CANTO URBANO

Em dois meses circulando por um lugar que concentra grandes prédios comerciais, encontrei uma viela, aquela do boteco, dos motoqueiros, que tem mesas de madeira e espaço para minhas letras e pensamentos. É lá, ouvindo Keith Jarrett e Erik Satie no talo (às vezes, são as meninas – Keren Ann, Andrea Perdue,  Au Revoir Simone e Dalida) que tenho meus pensamentos matutinos, uma xícara de expresso (pardon, pardon), meus pequenos pedaços de papel em branco e anotações soltas…

Parece que me encontro com o Puri todas as manhãs:

* Será que o som do sino deixa de existir ou nós é quem deixamos de escutá-lo?

* Quando uma fruta deixar de ser viva? (antiga, do Colar de Cerejas, que ressoa)

* Pó do chá no ar perfuma os meus sábados (reminiscência)

 

Anúncios

Puri deixou uma missão gourmet para mim neste final de ano, um pouco antes de embarcar de volta para a França: uma latinha de Kusmi Tea para eu tomar com a Carline na nossa cerimônia do chá pós-yoga (da qual ele já participou).  Das latinhas que ele tinha em mãos, escolhi pelo cheiro, o mais fresco de todos.

Nossa cerimônia começou sem balanço objetivo. Apenas o prazer de estar presente e um certo ar de comemoração de final de ano. Carline me recebeu até com figurino natalino e presentinhos!

Falando um pouco do chá, Prince Vladimir, um dos chás aromatizados da linha Kusmi Tea (sensação na França, que pude degustar a primeira vez com as amigas na cerimônia das caixas, um chá verde chinês com limão e gengibre trazido pela Dani diretamente de Paris), é uma mistura de chás pretos da China com essências cítricas (limão, bergamota e pamplemousse), baunilha e especiarias (aqui se encontra o grande segredo do chá). Apesar de ter uma base forte de chá preto e evocar o inverno, o chá trouxe para a nossa manhã um certo frescor temperado.

Mais fotos para vocês…

 

Há alguns anos (poucos, menos de cinco), ganhei de presente uma latinha com “docinhos gostosos para tomar com chá” de uma grande amiga, a Graziela Kronka. Nem sei como descrevê-la direito por aqui e arrisco dizer que ela foi uma das grandes incentivadoras do meu hábito de tomar chá. Toda vez que ela ia me visitar, chegava com um pacote de chás ou apetrechos e, juntamente com o Puri, foi me ajudando a encher o baú de blends maravilhosos, não apenas pela qualidade deles, mas principalmente porque eles nos acompanharam por várias conversas, principalmente no inverno. O presente embarcou conosco para Bordeaux para ser compartilhado com Puri e Richard (que ainda não tinha sido citado aqui, mas que compõe a nossa petite famille) para esquentar o virada de 2006 para 2007.

Junto com o presente, veio a recomendação verbal “é para colocar assim, em cima da caneca”. E a frase nunca saiu da minha cabeça, mesmo quando eu não obedecia às instruções.

Esta bolachinha holandesa (lá conhecida como stroopwafel) apareceu em outros momentos especiais: pelas mãos da Camila, na casa da Lúcia, pelas minhas mãos chegando em SP depois de passar muitas horas no aeroporto de Schipol devido a um vôo perdido (e que se tornou um dos doces favoritos do Saiki, meu namorado), pelas mãos do Felipe ou pelas minhas depois de uma passagem por Amsterdam. E agora pela Flavia Sakai, que fez uma encomenda no Sobremesas do Mundo (por sorte, eu estava no estúdio dela no dia em que a sacolinha chegou) e, ao saber que era a sobremesa favorita do Saiki, mandou um pacote aqui para casa.

O dilema da semana foi: “stroopwafel vai bem com quê?“. A Camila, que morou na Holanda, deu a resposta mais confiável: café com leite ou com chá de anis. Café com leite estava descartado, pois eu tinha que colocar a bolacha em cima da caneca de chá. E anis também, pelo simples fato de eu não gostar de anis. Passei uns dias pensando (é sério) e me lembrei que havia um pacote intacto aqui que foi mandado de presente pelo Puri e com um lindo nome: Promenade des Anglais (“passeio dos ingleses”, nome da orla de Nice). Digno, não? (por falar em dignidade, há outra história que envolve Graziela, Valmor e chás que um dia será devidamente contada aqui) Mais digna ainda é a mistura que compõe a Promenade des Anglais: chá preto com pedaços de maçã e amêndoas e aroma de baunilha.

O aroma de baunilha/amêndoas é quebrado pela maçã… delícia! É uma pena que eu não vou saber indicar a marca, pois o presente veio em um delicado saquinho sem nome de loja. E o mistério faz dele algo único, como se ele não existisse em nenhuma loja no mundo em que possa encontrá-lo (ok, eu sei que existe, mas não sei se gostaria de saber). Assim, o sabor dura o tempo do presente, assim como foram todos os stroopwafels que passaram pela minha vida.

Uma das experiências mais solitárias que eu já experimentei é a de passar um tempo em um hospital. É incondicional pensar sobre a hora da morte (mesmo se ela não bate exatamente na sua porta, salvo em alguns casos) e a lembrança da vida chega a cada toque, abraço, telefonema, carinho. Ou em uma xícara de chá.

Há uma semana ocupo o posto de acompanhante no quarto 450. O procedimento, que demorou dias para ser aprovado pelo convênio, acontece agora e tudo será muito rápido: exame, repouso, alta. E foi apenas nesta manhã que descobri meu acesso livre à máquina de água quente na copa do nosso andar (depois de ter passado quatro dias “órfã” do conforto dos meus chazinhos, do meu pequeno ritual, da minha meditação).

Estou me virando com o que tenho: o pires, a xícara branca e o bule de inox do hospital e o coadorzinho japonês que tenho carregado comigo.

O glamour do Casablanca (chá verde com hortelã e chá preto com bergamota, da Mariage Frères) foi superado pelo significado simbólico dos pacotes que chegaram pelas mãos da Lúcia Monteiro. Puri percorreu Bordeaux e depois Paris na composição do presente enviado (e devidamente recebido), que vai além das folhas perfumadas e tende mais a um abraço aconchegante. E Lúcia fez outra via sacra: comprar as encomendas, juntá-las ao presente do Puri e embarcar tudo em sua mala. A bagagem extraviada durante 4 dias rendeu sacos abertos, roupas perfumadas pelas folhas de chá, um mélange especial dos diferentes blends espalhados por sua mala e nosso encontro ontem no jardim da Casa das Rosas para tomar uma soda italiana.

Taí o resultado de encontros e desencontros do dia 24 de setembro, data comemorativa das pontes e tubos invisíveis para mim e para o Puri desde 2003. Sete anos depois, vivo um novo dia intenso, de encontros, desencontros e reencontros, assim espero. O refrão se repete: solitude, proximidade e distância. Fez com que eu me lembrasse de duas listas que eu gosto muito do Livro de Cabeceira, de Sei Shonagon.

Things That Are Distant Though Near
Festivals celebrated near the Palace.
Relations between brothers, sisters, and other members of a family who do not love each other.
The zigzag path leading up to the temple at Kurama.
The last day of the Twelfth Month and the first of the First.

Things That Are Near Though Distant
Paradise.
The course of a boat.
Relations between a man and a woman.

Cerimônia do chá também é serviço.

Atendendo aos mecanismos de busca de pessoas que procuram onde consumir e comprar os chás inti.zen no Brasil, deixo uma lista reproduzindo o conteúdo do site oficial da marca (não tive tempo de checar, espero que não esteja desatualizado).

62º
Praça dos Omaguás, 62

Alimentos Nobre do Brasil
Al segundo Sargento Nevio Baracho dos Santos,481

Barbara
Rua Araguari, 373, Apto 71

Buenos Aires Resto
Rua Bandeira Paulista, 520

Calvo
Rua Santa Catarina, 685/ 707

Casa Santa Luzia
Alameda Lorena, 1471

Cesta Nobre
Al 2º Sargento Nevio Baracho dos Santos, 481

Cesta Nobre
Al segundo Sargento Nevio

Confraria Queijo e Vinho
Av. Doutor Arnaldo, 1318

Dom Resto
Rua Barão de Capanema, 549

Dulca
Rua Para, 22

Emporio La Rioja
Rua da Cantareira, 709

Emporio Santa Maria
Av. Cidade Jardim, 790

Empório São Paulo Itaim
Rua Pedroso Alvarenga, 803

Empório São Paulo Moema
Av Jurema, 271

Emporio Sephirot
Tv Casal Buono, 120, Lj 1021

Emporio Siriuba
Alameda Franca, 1590

Emporium Dinis
Av. Roque Petroni Junior, 1089 Luc

Emporium Quiririm
Av Anselma Turci, 501

Emporium São Paulo
Rua Afonso Braz, 431

Emporuim São Paulo Indianópolis
Av. Jurema, 271

Era uma Vez um Chalezinho
Rua Itapemirum, 11

Fine Fusion Food

Galeria dos Pães
Rua Estados Unidos, 1645

Galeria dos Pães
Rua Estados Unidos, 1645

Guilherme
Rua Guiara, 325, Apto 124

Haus Café
Av Cidade Jardim, 350

Horti Frutti Alto da Boa Vista
Av. Santo Amaro, 6618

Horti Frutti Alto Itaim
Rua Joao Cachoeira, 1351

Horti Frutti Moema
Av. dos Imares, 448

Hotel Blue Tree Convention
Av. Ibirapuera, 2927

Hotel Blue Tree Faria Lima
Rua Prof. Atilio Innocenti, 402

Hotel Sofitel
Rua Sena Madureira, 1355

La Caballeriza Parrila
Alameda Campinas, 530

Laurent- Escola das Artes Culinarias
Rua Groenlandia, 372

Le Coq
Rua Tupi, 832

Leite na Pista
Rod Floriano Rodriguez Pinheiro

Maison Z Restaurante
Alameda Lorena, 1919

Mape Confeitaria
Rua Pedroso Alverenga, 1079

Museu Casa Brasileira Restaurante
Av. Brigadeiro Faria Lima, 2705

Ofner Doceria
Av. Nove de Julho. 5623

Ofner Doceria
Al. Campinas. 1160

Ofner Doceria
Av. Ibirapuera. 2033

Parrila La Pepa
Alameda Jauaperi, 605

Parrila Las Guardas
Rua Coronel Joviniano Brandão, 229

Pellegrino
Avenida Brigadeiro Faria Lima, 4433

Pobre Juan Parrila
Rua Comendador Miguel Calfat, 525

Red White
Rua Francisca Julia, 222

Restaurante Costanera Parrilla
Rua Urussui, 320

Supermercado Lopes
Rua São Francisco, 44 – Vila Galvão

Supermercado St. Marche
Av. Comendador Adibo Aires, 275

Supermercado Super Vip
Rua Monte Serrat, 1520

Templo das Carnes Rotisserie
Rua Leão XIII, 23, Lj 1

Via Café
Av. Jacutinga, 365

Vila Alvear Restaurante
Rua Canário, 408

B&B Burger&Bistrot
Rua Bela Cintra, 1693

Bar e Grelhados Assakabraza
Rua Canãrio, 408

Blu Cafeteria
Rua Monte Alegre, 591

Bovinu´s
Av. Paulista, 735

Bovinu´s Churrascaria
BR.232 km.135

Cantaloup
Rua Manuel Guedes,474

Carpheteria
Av. Nove de Julho, 4820 – lj. 01

Chacara Santa Cecília
Rua Ferreira de Araújo 601

Churrazcaria Sul Nativa
Av. Bras Leme, 2.115

D.C.S.O Modas e Acessorios
Av. Lorena, 1.919

Delhi Palace
Av. Juscelino Kubischeck, 1132

Deli Trio
Rua Raja Gabaglia, 150

Di Bistrot
Rua Jacurici, 27

Di Café Lounge
Di Café Lounge

Espaço Casa Affonso

Espaço de Gastronomia
Rua Chipre, 60

Fidel
Rua Haddock Lobo, 834

Friccò di Frango
Rua Cubatão, 837

Gardel Parrila
Rua Amauri, 328

Garni Ceomercio de Alimentos
Av. Brigadeiro Faria Lima, 2.705

Guy Restaurante
Rua Fonte da Saudade 187

Hotel Ca D’oro
Rua Augusta,129

Jardim Urussui Restaurante
Rua Urussui, 320

La Brasserie Erick Jacquin
Rua Bahia, 683

La Bufalina
Rua Conselheiro Brotero, 1080

La Marie
Rua Francisco Leitão 16

Lola Bistrô
Rua Purpurina, 29

Martins da Costa & Cia
Rua Batataes, 429

Mi Casa tu Casa Parrila
Av. Sabiá 188

Nakombi
Av. Giovani Gronchi, 5.189

Ofner Doceria
Rua Batates, 429

Ofner doceria
Rua Caiubi 215

Ofner Doceria
Av. Pedroso de Morais 1099

ofner doceria – Shopping Anália Franco (Ofner Express)
Av. Regente Feijó 1739

Ofner doceria – Shopping Anália Franco (Ofner Express)
Av. Regente Feijó 1739

Ofner doceria – Shopping Center 3
Rua Augusta 1611 – Loja 31

Ofner doceria – Shopping Eldorado
Av. Rebouças, 3970

Ofner doceria – Shopping Higienópolis
Av. Higienópolis 618 – Loja 503

Ofner doceria – Shopping Ibirapuera
Av. Ibirapuera 3103

Ofner doceria – Shopping Iguatemi
Av. Brigadeiro Faria Lima 1191

Ofner doceria – Shopping Interlagos (Ofner Express)
Av. Interlagos 2255

Ofner doceria – Shopping Morumbi
Av. Roque Petroni Jr. 1089

Ofner doceria – Socorro (Loja da fábrica)
Rua Olivia Guedes Penteado 375

Ofner doceria – Vila Mariana
Rua Onze de Junho, 467

Parisfood Com. de Alimentos
Av. Horacio Lafer, 257

Pellegrino
Rua Joao Cachoeira, 488

Porto & Uchoa
Rua Doutor Veiga Filho 181

Preço Basico Comercio
Rua Dr. Sodre, 241

Red Gastronomia
Pça. General San Martin, 50- Jd. America

Restaurante Cantaloup
Rua Manoel Guedes, 472

Restaurante Catherine
Rua Haddock Lobo, 1416

Restaurante Chakras
Rua Melo Alves, 294

Restaurante da Praça São Lourenço
Rua Casa do Ator 608

Restaurante Santi
Rua Amauri 327

Restoraurante e Rotisserie Trio
Av. Raja Gabaglia, 150

Sabuji Restaurante
Rua Sabuji, 40

Tatini
Rua Batataes, 558

Unique Garden Hotel & Spa
Estrada Lamara ,3500

Earl Grey

&

English Breakfast

O feriadão e a companhia do Thompson Loiola me levaram ao café do Cinesesc depois de muito tempo sem colocar os pés por lá. Como não tínhamos planejado ver nenhum filme (para quem se interessa em cultura árabe, está acontecendo uma mostra de filmes até o dia 12), ficamos no café do lado de fora mesmo.

Achei o lugar honestíssimo: o cardápio mostra que os chás custam R$ 1,50, sem especificar se são chás importados ou nacionais. A questão é simples: o preço vale para qualquer chá. Além das marcas nacionais, eles oferecem três clássicos Twinings (Earl Grey, Lady Grey e English Breakfast) pelo mesmo preço.

Fiquei com a LADY GREY, que fazia um tempo que eu não bebia… E, depois da experiência, comecei a achar o Earl Grey (que está no meu TOP5) forte demais e o English Breakfast insosso demais. Só para explicar um pouco melhor essa minha avaliação, o Lady Grey é uma versão light do Earl Grey, ou seja, um chá preto com aroma de bergamota, mas também de laranja e limão.

Como o post não pode acabar sem uma história de encontro ou imagem inspiradora, conto aqui rapidamente que foi no café que fica no fundo da sala de cinema do Cinesesc (na época em que ainda era permitido fumar) que eu assisti pela primeira vez o Livro de Cabeceira, do Peter Greenaway. Foi em 1997, na mostra dos melhores filmes do ano. Dobrei a sessão, fumei alguns cigarros, me emocionei profundamente com a história e, na escuridão íntima do bar, eu me encontrei com meu lado japonês pela primeira vez.

Divido com vocês esta cena inspiradora do filme…

Café do Cinesesc: rua Augusta, 2075, tel. (11) 3087-0500.